Sobre nós

Gábor Csépai teve a idéia da série Moleman por volta de 2006. Originalmente quis criar uma série televisiva mas quando após inúmeras tentativas inúteis pareceu certo que não haverá patrocinadores suficientes para a realização do projeto, Szilárd Matusik sugeriu fazer um documentário apenas por diversão no tempo livre, sem patrocínio algum.

E assim, em 2008, eles arranjaram uma câmera e vários amigos que ajudaram com prazer e gratuitamente, e começaram a filmar a primeira parte do documentário Moleman. Até 2014, três episódios de longa-metragem do documentário Moleman foram concluídos no tempo livre e do dinheiro economizado dos criadores.

No primeiro episódio, encontramos 5 jovens de Budapeste que participam da sua forma específica na subcultura metropolitana (pessoas de belas artes e de performance, bem como de esportes radicais). O segundo episódio é sobre a subcultura de arte de computador, o demoscene, que existiu faz 30 anos, mas ainda assim apenas algumas pessoas a conhecem, preenchendo uma lacuna neste sentido globalmente com este filme. O terceiro episódio gira em torno da cena da música grassroots (beatbox, turntablism, etc.) e a revolução digital na música.

Todos esses três filmes foram selecionados para a competição oficial de muitos festivais internacionais bastante conhecidos. O primeiro episódio foi premiado com um grande prêmio em Nova York, enquanto o segundo foi elogiado em Los Angeles e em Derby (Reino Unido) e foi selecionado no Programa da Contagem Documentária na categoria “A” do Festival de Varsóvia (a última vez que um documentário húngaro foi selecionado para o programa da categoria “A” de um festival de cinema foi 4 anos antes). Estreou num teatro lotado em PAX East, em Boston, no maior evento independente de jogos nos EUA. Na revisão documental online da IndaFilm, em 2013, o público escolheu Moleman 2 como o melhor documentário húngaro dos anos anteriores. Ele foi exibido em mais de 35 cidades pelo mundo e a contagem total de visualizações vai além de 300.000. Em 2014, o terceiro episódio ganhou o prêmio da Melhor Edição no Festival Internacional de Filme Action on Film em Los Angeles, além de chegar segundo na categoria de Melhor Documentário.

O quarto episódio também foi concluído em 2017, que pode comprar aqui e assim apoiar a equipe independente de produtores de cinema em seu esforço de produzir novos episódios.

Comprar o Filme:

Vimeo on Demand

50% OFF: $11.99 $5.99

Steam

$12,99

64% OFF: $13.8 $4.99

from $125


Szilárd Matusik

Se graduou na Faculdade de Engenharia Elétrica e Informática da Universidade de Tecnologia e Economia de Budapeste em 2007. Desde 2003 trabalha na produção televisiva principalmente como editor de filmes, diretor de pós-produção e gerente de operações técnicas. Ele criou sua própria produtora Flame Film em 2006, que nos últimos anos produziu comerciais, videoclipes, programas de TV, curtas-metragens e documentários.


Gábor Csépai

Já apareceu em algumas publicidades e programas de TV como criança. Mais tarde, se tornou apresentador e editor da TV Húngara em programas de Pixel, Blokk e Greatest Hits. Depois de uma época passada na televisão, ele passou a trabalhar na produção de filmes como membro da equipe de produção para muitas publicidades e longas-metragens. Além de co-produzir uma série de eventos musicais junto com DJ Savage chamado Subculture Revolution, ele também colabora com e é membro permanente de várias bandas e formações em qualidade de MC.


Ver os episódios precedentes de Moleman gratuitamente.

Moleman 1 vem em breve com legendas em inglês.

Moleman é um diário documental sobre as subculturas independentes de Budapeste, uma capital centro-europeia movimentada. Sob a superfície cultural da metrópole existe uma vida de arte florescente, e atividades recreativas alternativas estão disponíveis. Há muitos que não seguem o gosto clássico, e não se interessam pela tentação da mídia comercial. Os criadores das subculturas budapestinas e seu público representam milhares de pessoas. Estas subculturas e artistas não devem ser subestimadas ou desconsideradas. Moleman escolhe cinco personagens deste mundo, e nos permite espreitar através dos seus olhos numa cultura e estilo de vida que é fora do reino das celebridades, diferente de Pop Idol ou a novela “Entre amigos” ou a banda pop Hooligans. Mas existe, cria obras e se concretiza cada vez mais.

Assiste ao trailer!

Na década de 1980, algo mudou o mundo para sempre. A tecnologia informática, principalmente devido ao aparecimento dos Commodore 64s acessíveis, que entraram na vida das famílias em todo o mundo, proporcionando a oportunidade para que todos possam criar arte digital. Mas as formas de arte existentes não eram as únicas a serem reimplementadas nesses computadores; novas formas de arte também apareceram, consideradas impossíveis até esse momento. Os computadores forneceram oportunidade para que o criador possa produzir efeitos visuais e sonoros e combiná-los para criar a experiência audiovisual final, utilizando apenas a linguagem da matemática e escrevendo o código de programa, sem interação física. Como resultado dessas técnicas, nasceram demos e, com elas, a subcultura de demoscene. Moleman apresenta agora uma subcultura digital, onde os artistas não usam sempre a tecnologia mais nova, mas o objetivo deles é alcançar o melhor da técnica informática de 30 anos.

Moleman 3 é um diário documental sobre uma viagem do underground para a superfície cultural.
Estilos de música e artistas ignorados pelas gravadoras e pela mídia tradicional não tiveram muita chance de obter um amplo reconhecimento naquela época. A revolução digital mudou tudo. A internet e a tecnologia digital, acessíveis para todos, remodelaram completamente a indústria fonográfica. A importância das gravadoras que controlam a música convencional mudou e decaiu.
Na sua viagem, Moleman apresenta artistas independentes e gêneros que se erguem do fundo, que não seguem o gosto convencional, mas que encontram seu próprio caminho à superfície. Beatbox, turntablism, DJing, improvisação ao vivo, e produtores premiados esperam você nesta viagem.